terça-feira, 16 de agosto de 2016

Terceiro dia

Bom a essas alturas eu já estava em casa.
os dias continuavam cinzentos, nem frio nem quente, algo que uma jaqueta peluda resolvia. Nada de casaco.
Dias bons para se caminhar.
Aí acordei tarde (estava em Paris, mas era uma semana de descanso), tomei café tarde, respondi umas mensagens etc.
E resolvi fazer algo com que sempre sonhei: o camino das pontes.
Sim, andar o Sena até o meu destino. Olhei no mapa, dava uns 4 kms, e pouco se bem me lembro. na real, acho que foi mais pois fui bordejando o Sena, mas decidi que era assim que iria do até o Musée du Quai Branly.
Mas antes das pontes e do museu, um minutos para nossos comerciais, e uma revelação.
Estou cada dia mais natureba, quase obcecada com alimentação. Uma verdadeira Bela Gil. E a viagem caiu no meio de uma longa dieta. Isso coloca aquele dilema leninista: que fazer?
Descobri, do lado da minha casa, a solução: Le Paradis du Fruits.
Sou viciada em suco verde. Verde mesmo, que não sou fraca, desses que travam. Couve líquida. Os deles são maravilhosos. O de cenoura e gengibre, um céu.
Como tenho uma infame tendência de criar rotinas em qualquer lugar que visito, pronto, virei habitué nesses dias. Pra melhorar, tinha wifi, e em viagens isso é bom, pois nunca compro os pacotes que nossas companhias telefônicas oferecem.
Melhora? Melhora! Muita quinoa, muito vegetal, muito cogumelo.
Deu até saudades. Continuo em dieta...
Bem alimentada, lá fui eu, de ponte em ponte.
Maravilhada, claro. No meio deu preguiça, mas fui firme e lá cheguei em cerca de uma hora, caminhando e cantando :)
Porque fui a esse museu?
Pra tirar a teima. Visitei quando era novinho em folha, em 2007 e impliquei. Tenho uma lista de implicâncias conceituais, que agora não vêm ao caso.
Aí que passei anos me perguntando se não tinha sido severa demais com o museu. Então vamos lá, por partes.
1. O prédio. Gosto do Jean Nouvel. Adoro o Instituto do Mundo Árabe e gosto muito da Fundação Cartier. Tem uma torre dele em Barcelona que não vi e não gostei. E, definitivamente, acho o prédio do Quai Branly muito bobo. Bobo mesmo, ininteligível por fora e meio ridículo, com umas cavernas, por dentro.
2. O acervo. De encher os olhos. Uma peça mais bonita do que a outra e no conjunto deixam qualquer um sem fôlego. De tudo que é canto do mundo e com as mais diversas funções. De enlouquecer.
3. A museografia. Aí que pegou em 2017 e continua pegando. não confio na divisão geográfica ampla. América não é um bloco, então África não deve ser também. Mas a escuridão do museu com os pontos de luz sobre as peças tem um belo efeito dramático.
Voltei caminhando, pensando.
Fiz as pazes com o museu, mas ainda acho que deixa a desejar.
Nesse dia jantamos em casa: dos de cabillaud e vinho.
Minha viagem chegava à sua metade.




Segundo dia em Paris

Refeita da viagem, resolvi acompanhar minhas amigas que lá estudam e assistir uma aula do espetacular historiador François Hartog.
Mais não digo, pis isso nem deve ser de interesse geral.
Au chegar na EHESS uma surpresa: a entrada que conhecida estava fechada e após passar por uma porta estreita precisei mostrar minha bolsa. Paris pós ataques terroristas.... mas tudo bem, estudei na École e estava feliz de lá estar.
Após a aula, fui caminhando -- e é uma linda distância -- até a Fondation Cartier pra ver uma exposição de um fotógrafo que não conhecia. Adoro ver artistas desconhecidos, ouvis música nova. Gostar ou não é outra conversa, mas meio que me obrigo.
Se gostei? Adorei. Ele é colombiano e desde que conheci o país meu interesse só aumenta.
De novo a ruína, a cidade abandonada, a violência. Ou era eu que não parava de pensar no Kiefer.
Depois, enrolamos um pouco num café qualquer para esperar a hora do jantar. Voltar pra casa diária preguiça.
E fomos jantar no incrível Le Robe et le Palais, pertinho to teatro Chatelet.
Experiência gastronômica das boas, com um detalhe: não havia carta de vinhos. Isso, o garçom ia propondo algo que harmonizasse com os pedidos.
E fomos bebendo.
Um certo medo na hora da conta, mas nada demais para quem mora na exorbitante São Paulo.
E chega, pois saí de casa às 8hs e voltei quase meia-noite.
Nas imagens, a adega que vislumbrei a caminho do banheiro, a expo do fotógrafo incrível, minha alegria na exposição e o cartaz dionisíaco que vi no restô.















Primeiro dia em Paris

Era uma segunda-feira mormacenta, com muitos museus fechados.
Fui correndo pro Beaubourg, ou Centre Pompidou. um dos meus lugares preferidos no mundo, sempre que vou a Paris quando vejo estou lá no primeiro dia.
Tinha uma exposição do Alselm Kieffer, que eu nem conhecia tão bem.
Fiquei de queixi caído com as obras, sua referências a ruínas, à guerra, destruição. Paisagens terríveis, oníricas, imaginárias.
Como estava hospedada perto da Place Saint Michel fui e voltei caminhando, sentindo o ar frio da cidade, lembrando percursos conhecidos.
Nem deu pra ter jet lag.
mas era primeiro dia e jantei em casa.
Adoro cozinhar em Paris, adoro os supermercados e feiras da cidade.

MAs ao sair do museu caminhei um pouco pelo Marais até encontrar minha amiga que pesquisava diligentemente numa das mais lindas bibliotecas da cidade. Como ela é do bem, teve a paciência de me acompanhar até minha loja querida, a COS (rue des Rosiers), que eu chamo brincando de HM de adulto. Claro que comprei um vestido lindo e claro que fui pra casa feliz.

Abaixo, a vista da janela lateral do quarto de dormir e um pouco do acervo do museu maravilhoso. Sonia Delaunay, Jovem finlandesa, quadro de 1927. Uma das primeiras cadeiras Antony do Jean Prouvé (tenho uma chez moi).
E a vista do algo do museu, um ponto sempre a se considerar, mesmo num dia cinzento.




quinta-feira, 31 de março de 2016

Uma semana em Paris


Como? Uma semana só? Nossa, tá se achando....
Gauche caviar!
Amiga, como a senhora é chic.
Nada disso.
A vida às vezes têm circunstâncias a nosso favor.
Uma amiga passando uma longa temporada lá faz o convite.
As passagens andam com bons preços.
Sobraram uns euros de uma viagem a Portugal (só mesmo em Lisboa os euros sobram, nas outras capitais eles faltam).
Et voilà, uma semana em Paris.
Só dá certo porque eu conheço a cidade bem.
Só deu certo porque eu já não me sinto compelida a passar um dia inteiro no Louvre.
Só funcionou porque pela primeira vez, o grande programa foi apenas flanar pela cidade luz.
Que sorte, que sorte imensa.
Nos posts seguinte, relatarei cada dia dessa pequena viagem.
Depois do slow food, do slow science, descobri o slow travel.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Retomada

O que a gente faz com um blog abandonado?
Esquece ou retoma.
Caros e raros leitores, retomei.
Abandonei porque deixei de viajar? Nunca.
Sei lá onde andou minha cabeça. No excesso de trabalho, talvez.


Nesse período teve Zurique, Berna e Einsielden; Paris, Lisboa, Porto, Roma, Nápoles; Santiago; Nova York, Austin.
E, claro: Salvador, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto alegre, Curitiba, Crato, Juazeiro. E férias de verão, agora, entre uma das praias mais bonitas da bela Florianópolis - Matedeiro - e a adorável Ilhabela.
Enfim, I remain on the road.
Até breve!

Na imagem, foto de 1962 de autor desconhecido. O Solar do Unhão, então em reforma, é um dos motivos das constantes viagens à Bahia.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Paris!

Estou em Paris há quase dois meses e hoje me dei conta de que dei uma abandonada no blog. Por que? Talvez porque os últimos meses tenham sido corridos e porque como estou meio que fixada nessa cidade linda por exatos 90 dias, nem tenho a sensação de estar on the road.
Bobagem minha. Posso estar cada dia mais acostumada com a cidade, mas ainda sou uma estrangeira. E aos poucos vou começar a postar minhas impressões da cidades.


Por enquanto, só sei dizer que a cidade me surpreendeu com uma linda manifestacão pró casamento gaï em dezembro, me desapontou com as hordas de "senhoras de Santana" que vieram protestar contra, lideradas por uma figura midiática execrável cujo pseudônimo é Frigide Bardot, e deu a resposta no domigo passado.
Muita gente na Bastilha pedindo igualdade para suas opções pessoais.
Isso também é Paris. E estava "assim" de crianças fofas com suas famílias de tudo quanto é formato.

domingo, 16 de setembro de 2012

Espetáculo

Podemos viajar para ver um espetáculo? Eu adoraria. Se se fácil assim fosse, eu teria ido ontem até Lisboa, a mais perfeita das cidades. O espetáculo em questão era um monte de gente nas ruas para a manifestação "que se lixe a Troika".
Impossível não cantarolar Chico Buarque:

Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente.



Há poucos espetáculos mais bonitos do que uma rua cheia de gente demandando o que é justo e de direito.